Risco de João Rodrigues ficar fora da eleição alimenta especulações

A possibilidade de o deputado federal João Rodrigues (PSD) ficar de fora da eleição do ano que vem já é uma realidade presente em todas as análises do cenário eleitoral. O deputado foi condenado por improbidade administrativa sob a acusação de fraudar uma licitação para compra de retroescavadeiras quando exercia o posto de prefeito de Pinhalzinho. Ele recorre ao STF e como sua pena está perto de prescrever, é possível que a decisão final esteja para sair.

Plano B

João Rodrigues é hoje o nome que representa o grupo do PSD que defende a manutenção da aliança com o PMDB, enquanto Gelson Merisio quer mais papo com o PP. Caso Rodrigues não possa concorrer, mas a tese de manter-se ao lado PMDB for a vencedora internamente, evidentemente seu espaço na majoritária não seria ocupado por Merisio. Poderia ser a senha para Júlio Garcia assumir o posto que disse que não assumiria, pois se instalaria uma situação imprevista que demandaria mudança de rumos.

Estadual do Sul

Nessa possibilidade, uma candidatura a deputado estadual no Sul passaria a estar vaga. E o PSD de Tubarão, com vice-prefeito, três vereadores e algumas outras lideranças poderia estar no páreo para ocupá-la. Até porque existe um vácuo de lideranças, já que a Amurel não conta hoje com nenhum representante na Assembleia Legislativa.

Vitórias e renúncias

A trajetória de João Rodrigues é marcada por vitórias eleitorais e renúncias no começo de mandatos para concorrer a outros. Foi eleito vice-prefeito de Pinhalzinho em 1996 e prefeito, em 2000. Renunciou no ano seguinte à sua posse para se eleger deputado estadual. Mais uma vez deixou o mandato no segundo ano de sua vigência, desta vez para concorrer e vencer a disputa pela prefeitura de Chapecó, em 2004. Foi reeleito em 2008, mas voltou a renunciar, para ser candidato a deputado federal, em 2010. Foi reeleito em 2014.

Deixe uma resposta