Pré-candidato, Volnei promove pré-renúncia

A legislação eleitoral brasileira criou a figura do pré-candidato. Essa definição serve para o sujeito que é candidato, mas ainda não pode dizer isso publicamente porque o calendário eleitoral ainda não permite. Ele pode fazer reuniões, preparar estratégias, só não pode dizer que é candidato. Apenas que é pré-candidato. O prefeito de São Ludgero Volnei Weber promoveu uma inédita pré-renúncia na manhã de ontem, na assembleia ordinária dos prefeitos da Amurel. O presidente anunciou aos presentes que não se sentiria confortável em renunciar sem deixar seus colegas avisados e o fez. Deixou claro que pretende deixar o posto, foi às lágrimas ao fazer uma rápida retrospectiva e indicou que o anúncio será na sexta-feira à noite, quando fará o lançamento de ordens de serviço de diversas pavimentações pela cidade. Só não fez a renúncia propriamente dita porque precisa aguardar alguns atos.

PMDB de Tubarão decide amanhã

O principal destes atos é a reunião de amanhã pela manhã do PMDB de Tubarão, para deliberar sobre o posicionamento do diretório quanto à eleição de 2018. A decisão passará pelo apoio à candidatura de Volnei, com o ex-vereador Evandro Almeida desistindo de concorrer e permanecendo no comando do Terminal Pesqueiro de Laguna até o fim do governo Temer.

Volnei pensou em tudo

Vale destacar a ousadia de Volnei Weber, um empresário que cumpre sua primeira função pública. Sobrinho do ex-prefeito Matias Weber (PP), fez sua história no PMDB e garantiu que seu vice (Ibanês Lembeck) fosse do mesmo partido. Desta forma, não há qualquer risco de entregar o comando do município a um adversário no campo estadual. Se o seu substituto fosse de outro partido, como é habitual, o momento seria de imensa incerteza porque as coligações para outubro estão longe de estarem definidas.

Na Amurel também

Volnei buscou a presidência da Amurel em 2017 por entender que isso seria estratégico para sua campanha. Entrou em acordo com Joares Ponticelli (PP), de Tubarão, que foi o primeiro comandante e agora pode entrar na fila da presidência da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam). Assumiu agora em 2018 e tratou de deixar Robson Back, de São Martinho, como seu vice. Mais um peemedebista, de modo a não haver qualquer conflito partidário para a sua renúncia. E contemplando um correligionário, de quebra. É preciso respeitar a extensa costura de Volnei.

Prefeitos renunciando

Em Santa Catarina, Volnei soma-se a ao menos outros dois colegas prefeitos que se preparam para deixar seus mandatos. Napoleão Bernardes (PSDB), de Blumenau, formaliza o gesto amanhã mirando na majoritária. Ana Paula da Silva (PDT), de Bombinhas, vai tentar se eleger deputada estadual.

Deixe uma resposta