Municípios de SC contra o desmonte do Mais Médicos

Os municípios de SC se posicionaram contra o desmonte do programa Mais Médicos. O governo Bolsonaro, entretanto, está determinado a desmontar o programa. E as reações, no entanto, são contrárias até mesmo no Estado onde ele obteve, aliás, uma vitória expressiva.

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam), com efeito, posicionou-se contra “as novas medidas do programa”. Assim, calcula “perda direta e irreparável das 571 vagas disponíveis para Santa Catarina, com impactos negativos no acesso à saúde da população, o risco de desassistência e a diminuição dos repasses federais e estaduais à atenção primária”.

Desmonte e retrocesso

O posicionamento dos municípios de SC contra o desmonte do Mais Médicos foi, em suma, oficializado no Seminário CNM Qualifica. O evento ocorreu de 29 a 30 de abril, em Florianópolis, de acordo com as entidades. Contou com a presença de gestores de saúde de todo o Estado, com o propósito de debater a gestão de saúde pública.

Foi promovido pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), em parceria com a Fecam.

O documento tem como título: “O retrocesso no atendimento na saúde é risco eminente no Estado”.

O presidente da Fecam é o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli.

Cerca de 214 municípios de Santa Catarina, que contam hoje com 436 médicos atendendo pelo Programa Mais Médicos, podem ter o atendimento da atenção básica à saúde prejudicado caso sejam aprovadas as novas medidas do Programa.

É tarde demais?

Antes mesmo de tomar posse, o novo governo tratou de deixar claro que queria os médicos cubanos fora do País. O vice-presidente do Sindicato dos Médicos de Santa Catarina festejou o ato. A Amurel perdeu sete médicos naquele momento.

Não será tarde demais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *