Guarda admite que falta de armas era “apenas um argumento”

A coluna de Milton Alves no Diário do Sul traz uma transcrição interessante da entrevista concedida pelo diretor da Guarda Municipal, Joelson Mendes, à Rádio Cidade:

A “não possibilidade de uso das armas” foi apenas um argumento encontrado por toda a corporação para se trancafiar no quartel.

Trata-se de uma afirmação contundente. Qual seria o argumento razoável para a Guarda Municipal, às vésperas da eleição municipal, ausentar-se das ruas e deixar de efetuar o seu trabalho?

Se não foi falta de segurança, já que isso foi apenas “um argumento”, fica no ar a pergunta. É provável que este questionamento seja feito diretamente pela administração do Município.

Deixe uma resposta