Assembleia aprova a venda de cerveja durante jogos de futebol

Em uma votação apertada e com muita discussão, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina aprovou o projeto de lei que prevê a autorização de venda de cerveja nos estádios de futebol do Estado. A principal argumentação dos defensores do texto é o fato de a proibição não ter resultado em qualquer redução dos índices de violência em eventos esportivos. De fato, fica difícil imaginar que a venda de cerveja no curto período de um jogo de futebol possa causar efeito direto – quem está alcoolizado num estádio provavelmente já chegou nesse estado ao local. Vitória do torcedor civilizado que quer tomar um ou dois copos de cerveja enquanto assiste ao espetáculo.

Bom para Tubarão

A medida foi bastante festejada pelos clubes profissionais e amadores, que veem na venda da cerveja durante os jogos uma ótima oportunidade de atração de torcedores e renda para seus combalidos cofres. A notícia é especialmente boa para Tubarão, que depois de décadas terá dois clubes na elite do futebol catarinense. O Campeonato Estadual começa em 17 de janeiro e a primeira rodada marca justamente o clássico entre Hercílio Luz e Atlético Tubarão, no Estádio Anibal Costa.

Favoráveis

Foram 20 votos a favor da liberação: Cleiton Salvaro (PSB), Dalmo Claro (PSD), Darci de Matos (PSD), Dirce Heiderscheidt (PMDB), Fernando Coruja (PMDB), Gabriel Ribeiro (PSD), João Amin (PP), Manoel Mota (PMDB), Mário Marcondes (PSDB), Maurício Eskudlark (PR), Mauro de Nadal (PMDB), Natalino Lázare (Podemos), Nilso Berlanda (PR), Nilson Gonçalves (sem partido), Ricardo Guidi (PSD),Roberto Salum (PRB), Rodrigo Minotto (PDT), Romildo Titon (PMDB), Serafim Venzon (PSDB) e Valdir Cobalchini (PMDB).

Contrários

Foram 13 votos contra a liberação: Altair Silva (PP), Antonio Aguiar (PMDB), Cesar Valduga (PCdoB), Dirceu Dresch (PT), Gelson Merisio (PSD), Ismael dos Santos (PSD), Jean Kuhlmann (PSD), José Milton Scheffer (PP), Luciane Carminatti (PT), Milton Hobus (PP), Narcizio Parisotto (PSC), Neodi Saretta (PT) e Padre Pedro Baldissera (PT).

Deixe uma resposta